Telefone: (11) 5524-1319 ou (11) 5548-9757

Especialistas e gestores de saúde se reuniram no dia 24 de maio, no Rio de Janeiro, para discutir novas formas de prestação e remuneração de serviços em três linhas de atenção prioritárias: cuidado ao idoso, oncologia e Odontologia. No encontro, promovido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), foram apresentados projetos inovadores que estão sendo desenvolvidos para o setor.

“A reorganização da prestação dos serviços de saúde e a adoção de novos modelos de pagamento dos prestadores, que tenham o usuário como centro das ações ao invés de focar no pagamento por volume de procedimentos ou serviços, são medidas imprescindíveis e urgentes”, afirma a diretora de Desenvolvimento Setorial da ANS, Martha Oliveira. Ela explica que o aumento da expectativa de vida conquistada nas últimas décadas, a transição epidemiológica – em que prevalecem as doenças crônicas como diabetes, câncer, obesidade e hipertensão – e o processo de evolução tecnológica são fatores determinantes para as mudanças propostas.

Os modelos chamam a atenção para a necessidade de mudanças no sistema de cuidado em saúde, que resultem em melhores resultados assistenciais e econômico-financeiros e sejam capazes de garantir a qualidade dos serviços e a sustentabilidade da saúde suplementar.

“A sustentabilidade da saúde suplementar se apoia, necessariamente, no tripé qualidade-informação-mudança nos modelos de prestação e remuneração. Nesse encontro, a ANS debateu a urgência da adoção de novos modelos, como poderão ser implementados e os desafios a serem enfrentados, sob ponto de vista de todos os elos da cadeia”, explica Martha.

Hoje, quando se fala em cuidados odontológicos, a maioria dos planos de saúde também trabalha com foco na produção de volume de procedimentos, remunerando pela quantidade. Além de não ser sustentável, a prática não privilegia a boa atenção clínica. Para mudar esse cenário, o modelo previsto, que vem sendo discutido com o setor há cerca de seis meses, passa a atrelar tanto a atenção como a remuneração a indicadores de qualidade. A inovação é a busca do resultado em saúde e não da quantidade de procedimentos.

O arranjo de prestação dos serviços é baseado nas seguintes premissas: divisão dos cuidados em módulos que compõem a prevenção e o tratamento, com utilização de protocolos clínicos; introdução de um gestor do cuidado (navegador) responsável pela coordenação da atenção prestada ao beneficiário; avaliação das ações através de indicadores e medidas de qualidade; utilização de uma medida de qualidade na composição da remuneração do prestador de serviço; e novas formas de comunicar esse novo modelo e agregar valor para o beneficiário e para o prestador.

Nessa proposta, 70% do cuidado são focados na atenção básica, onde um profissional de referência é encarregado da atenção. Quando o paciente precisar de atenção especializada (tratamento de canal, por exemplo), é encaminhado para outro profissional capacitado e depois volta para o profissional de referência. Paralelamente, a operadora, como gestora do cuidado, tem um sistema de informação que permite acompanhar o tratamento, verificar a necessidade de retorno e comunicar ao beneficiário. Com isso, é possível fazer o monitoramento tanto da atenção que ele está recebendo quanto da atenção dos prestadores. E os melhores prestadores também são remunerados pela melhor prática.

Fonte: ANS